Interpretação sussurrada

Alexandra Hambling a efetuar interpretação sussurrada nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Singapura

Interpretação sussurada

Nesta variante da interpretação simultânea, o intérprete sussurra a interpretação ao ouvido de uma ou duas pessoas. A interpretação sussurrada é utilizada apenas em situações específicas, pois, além de o intérprete ficar por vezes demasiado longe do orador para o ouvir nitidamente, a sua voz pode perturbar os outros participantes. A interpretação sussurrada não necessita de equipamento mas, consoante a duração do evento, pode obrigar à intervenção alternada de dois ou mais intérpretes.

A interpretação sussurrada, também conhecida pela sua designação francesa “chuchotage”, é amiúde combinada com a interpretação consecutiva. O intérprete sussurra a mensagem a um ou dois delegados e, quando estes fazem uso da palavra, toma notas para, uma vez concluídos os discursos dos delegados, efetuar a interpretação consecutiva da mensagem junto dos restantes participantes na reunião. Importa que o intérprete se posicione perto do(s) orador(es), que o têm de ouvir, e tenha uma vista desobstruída das imagens projetadas. A interpretação sussurrada não é adequada para grandes grupos ou para eventos em que um ou dois participantes necessitem de interpretação. No caso dos grandes grupos, é recomendada a interpretação em visitas guiadas (ou a utilização de uma cabina de interpretação conforme com as normas ISO).

A Calliope pode:

  • ajudá-lo(a) a escolher entre a interpretação sussurrada e outro tipo de interpretação

  • selecionar os intérpretes mais qualificados para o seu evento, tendo em conta a formação académica, a experiência relevante, o desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e as especializações

  • organizar a logística da equipa de intérpretes.

 

Exemplos da nossa carteira de clientes

 

Lívia Cais a efetuar interpretação sussurrada junto de cirurgiões no bloco operatório

Parceria da Children’s HeartLink com o Hospital da Criança e o Hospital de Messejana, Brasil

Em todo o mundo, uma em cada 120 crianças nasce com cardiopatia congénita, sendo que 90% delas não têm acesso a assistência médica adequada. A fim de salvar a vida das crianças com esta doença, a Children’s HeartLink estabeleceu parcerias com várias organizações do Brasil e de outros países para formar equipas médicas, realizar ações educativas e transformar os cuidados de saúde.

Desde 2009 que, duas vezes por ano, Lívia Cais, membro da Calliope para o Brasil, gere equipas de dois a seis intérpretes altamente qualificados no domínio da medicina para possibilitar uma comunicação eficaz no bloco operatório, na unidade de cuidados intensivos pediátricos (UCIP), no laboratório de hemodinâmica e em palestras. São utilizados vários tipos de interpretação: sussurrada e consecutiva no bloco operatório e simultânea com sistema de visita guiada durante as rondas médicas.

 

 

Claudia Ricci efetua interpretação sussurrada junto de P. Panzeri, deputado ao Parlamento Europeu

Missões do Parlamento Europeu

Muitos dos membros da Calliope-Interpreters estão acreditados junto de organizações internacionais como a ONU e a UE, que necessitam também de interpretação no âmbito das suas missões de alto nível. A interpretação sussurrada é utilizada com frequência em missões itinerantes cujas limitações logísticas impossibilitem a interpretação simultânea ou em visitas guiadas. Neste contexto, os intérpretes fazem interpretação sussurrada se tiverem um ou dois ouvintes e interpretação consecutiva se estiverem perante um público mais vasto.

Na foto, Claudia Ricci, representante da Calliope para Itália, presta interpretação junto de Pierantonio Panzeri, deputado italiano ao PE e presidente da Delegação da Subcomissão dos Direitos do Homem do Parlamento Europeu ao Bangladeche e a Mianmar. À direita de Claudia encontra-se Soraya Post, deputada sueca ao PE e membro da mesma delegação. A missão consistiu em visitas a três campos de refugiados roinjas no Bangladeche, reuniões com as autoridades e representantes da sociedade civil no Bangladeche e em Mianmar, e sessões informativas junto da representação da UE e de comunidades locais. Este trabalho mostrou ser um verdadeiro desafio em termos profissionais, mas ao mesmo tempo bastante gratificante.

 

Centenário do Primeiro Dáil em 2019

Centenário do Primeiro Dáil

Em 21 de janeiro de 2019, a República da Irlanda comemorou o centenário do Primeiro Dáil, a primeira sessão de uma assembleia representativa no país, na qual se reivindicou o direito da Irlanda à autodeterminação. Em 1919, as várias declarações foram proferidas em gaélico irlandês, inglês e francês. Volvidos cem anos, os presidentes de mais de 30 parlamentos nacionais foram convidados a assistir às cerimónias comemorativas realizadas em Dublin, interpretadas para muitas outras línguas. Os intérpretes efetuaram a interpretação sussurrada de discursos emotivos e inflamados para as línguas dos respetivos representantes parlamentares. Alexandra Hambling, representante da Calliope para a Irlanda, fez interpretação sussurrada para a VicePresidenta da Assembleia Nacional francesa.

Solicite um orçamento

Partilhe este artigo: